Você esta aqui:   Home Notícias Hendrix 70: Sesc Vila Mariana - São Paulo/SP
Hendrix 70: Sesc Vila Mariana - São Paulo/SP PDF Imprimir E-mail
Qui, 07 de Fevereiro de 2013 07:50
Hendrix 70: Sesc Vila Mariana - São Paulo/SP

Estreou o projeto Hendrix 70 na última sexta-feira (1º), que levou grandes nomes da música nacional ao palco do Sesc Vila Mariana para uma série de três apresentações em tributo a um dos maiores guitarristas de todos os tempos, Jimi Hendrix.

A lenda da guitarra, que partiu aos 27 anos, mas deixou um dos mais importantes legados da história da música - especialmente do rock -, estaria com 70 anos hoje. Para a celebração de sua vida e obra, Andreas Kisser, Edgard Scandurra, Lanny Gordin, Martin, Pitty e Hélio Flanders se uniram no comando da festa.

Os músicos Du Moreira (baixo) e Loco Sosa (bateria) assinaram a direção musical do evento e assumiram o desafiador papel de ‘cozinha’ desta banda, cumprindo a função com louvor. Afinal, nas canções mais marcantes da carreira do homem da guitarra, estavam os gigantes Noel Redding e Mitch Mitchell, até hoje ídolos do baixo e da bateria, respectivamente.

Du e Loco, acompanhados do guitarrista Estevan Sinkovitz formaram a base do espetáculo e abriram com um número instrumental antes de apresentarem as primeiras atrações: Hélio Flanders (vocalista do Vanguart) e o guitarrista Edgard Scandurra, que com sua stratocaster canhota executou os clássicos “Hey Joe” e “Fire” com muita categoria. Hélio não poupou suas emoções e interpretou todas as canções com o ‘feeling’ de um fã emocionado.

Após a interpretação meio Dylan, meio Hendrix de “All Along The Watchtower”, na qual Flanders tocou violão, gaita e cantou, Scandurra mandou “Highway Chile”, com direito aos efeitos especiais da guitarra em frente ao amplificador - como o mestre fazia infernalmente - seguidos de “Foxy Lady”. Destaque para os ótimos timbres de guitarra.

Em um momento mais introspectivo, Edgard chamou o lendário guitarrista Lanny Gordin para um instrumental em “Burning of the Midnight Lamp” repletos de arpejos e solos - só os dois. Na sequência, eles interpretaram um dos maiores hinos do “Deus”, “rei”, “pai” (como preferir) das seis cordas: “Purple Haze”.

Martin Mendonça empunhou sua SG e enfrentou o microfone num arriscado “The Wind Cries Mary”, na configuração power trio, antes de chamar sua “melhor amiga, Priscilla Leone”, a Pitty, que cantou “If 6 Was 9” e se achou mesmo na ótima interpretação de “Crosstown Traffic”.

Por fim, Andreas Kisser, o músico mais esperado e ovacionado da noite, mandou a ‘power valsa’ “Manic Depression” e absolutamente matou a pau ao cantar e tocar “Who Knows” e “Stone Free”.

Para o bis, todos os artistas se juntaram na interpretação de “Little Wing”, cantada por Flanders, e com solos de todos os guitarristas, visivelmente emocionados. Uma belíssima homenagem a James Marshall Hendrix, influência obrigatória na formação de qualquer músico. O show Hendrix 70 aconteceu também nos dias 02 e 03, com ingressos esgotados.

 

Fonte: Território da Música


Última atualização em Qui, 07 de Fevereiro de 2013 07:54
 

Gostou disso? Compartilhe com seus amigos...

Share on Myspace

Curiosidades dos Rock-Star's

Lemmy conta seu segredo com as mulheres
Lemmy Kilmister do MOTORH...
Os 14 maiores mascotes de banda
Os 14 maiores mascotes de...
Os 25 melhores logos de bandas
Seja adornando caríssima...

Humor

As regras do Prog Metal
Não basta apenas saber t...