Você esta aqui:   Home Notícias Hendrix 70: Sesc Vila Mariana - São Paulo/SP
Hendrix 70: Sesc Vila Mariana - São Paulo/SP PDF Imprimir E-mail
Qui, 07 de Fevereiro de 2013 07:50
Hendrix 70: Sesc Vila Mariana - São Paulo/SP

Estreou o projeto Hendrix 70 na última sexta-feira (1º), que levou grandes nomes da música nacional ao palco do Sesc Vila Mariana para uma série de três apresentações em tributo a um dos maiores guitarristas de todos os tempos, Jimi Hendrix.

A lenda da guitarra, que partiu aos 27 anos, mas deixou um dos mais importantes legados da história da música - especialmente do rock -, estaria com 70 anos hoje. Para a celebração de sua vida e obra, Andreas Kisser, Edgard Scandurra, Lanny Gordin, Martin, Pitty e Hélio Flanders se uniram no comando da festa.

Os músicos Du Moreira (baixo) e Loco Sosa (bateria) assinaram a direção musical do evento e assumiram o desafiador papel de ‘cozinha’ desta banda, cumprindo a função com louvor. Afinal, nas canções mais marcantes da carreira do homem da guitarra, estavam os gigantes Noel Redding e Mitch Mitchell, até hoje ídolos do baixo e da bateria, respectivamente.

Du e Loco, acompanhados do guitarrista Estevan Sinkovitz formaram a base do espetáculo e abriram com um número instrumental antes de apresentarem as primeiras atrações: Hélio Flanders (vocalista do Vanguart) e o guitarrista Edgard Scandurra, que com sua stratocaster canhota executou os clássicos “Hey Joe” e “Fire” com muita categoria. Hélio não poupou suas emoções e interpretou todas as canções com o ‘feeling’ de um fã emocionado.

Após a interpretação meio Dylan, meio Hendrix de “All Along The Watchtower”, na qual Flanders tocou violão, gaita e cantou, Scandurra mandou “Highway Chile”, com direito aos efeitos especiais da guitarra em frente ao amplificador - como o mestre fazia infernalmente - seguidos de “Foxy Lady”. Destaque para os ótimos timbres de guitarra.

Em um momento mais introspectivo, Edgard chamou o lendário guitarrista Lanny Gordin para um instrumental em “Burning of the Midnight Lamp” repletos de arpejos e solos - só os dois. Na sequência, eles interpretaram um dos maiores hinos do “Deus”, “rei”, “pai” (como preferir) das seis cordas: “Purple Haze”.

Martin Mendonça empunhou sua SG e enfrentou o microfone num arriscado “The Wind Cries Mary”, na configuração power trio, antes de chamar sua “melhor amiga, Priscilla Leone”, a Pitty, que cantou “If 6 Was 9” e se achou mesmo na ótima interpretação de “Crosstown Traffic”.

Por fim, Andreas Kisser, o músico mais esperado e ovacionado da noite, mandou a ‘power valsa’ “Manic Depression” e absolutamente matou a pau ao cantar e tocar “Who Knows” e “Stone Free”.

Para o bis, todos os artistas se juntaram na interpretação de “Little Wing”, cantada por Flanders, e com solos de todos os guitarristas, visivelmente emocionados. Uma belíssima homenagem a James Marshall Hendrix, influência obrigatória na formação de qualquer músico. O show Hendrix 70 aconteceu também nos dias 02 e 03, com ingressos esgotados.

 

Fonte: Território da Música


Última atualização em Qui, 07 de Fevereiro de 2013 07:54
 

Gostou disso? Compartilhe com seus amigos...

Share on Myspace

Curiosidades dos Rock-Star's

Lemmy conta seu segredo com as mulheres
Lemmy Kilmister do MOTORH...

Humor

Vuvuzela Hero
Vuvuzela Hero: muito mai...